O espetáculo da culinária:

análise de informações veiculadas em diferentes mídias e seus possíveis impactos no preparo e consumo de alimentos

  • Rita de Cássia Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais
  • Déborah de Oliveira Ramiro
  • Lucas Soares Moreira
Palavras-chave: Meios de comunicação, Culinária, Consumo de Alimentos

Resumo

Tem-se observado um crescente interesse por informações sobre culinária veiculadas nas diferentes mídias, tanto por pessoas que preparam refeições quanto por telespectadores que tem encontrado nesse conteúdo um meio de entretenimento. No entanto, pouco se conhece sobre a qualidade das informações veiculadas nas mídias, sua convergência com o conhecimento científico e seu impacto nas escolhas alimentares. O objetivo dessa pesquisa, portanto, foi analisar as informações veiculadas em revistas impressas, programas de televisão e YouTube sobre culinária, e realizar uma discussão teórica sobre seus possíveis impactos no preparo e consumo de alimentos.  Para isso desenvolveu-se uma pesquisa, do tipo descritivo, com abordagem quantitativa e qualitativa, para analisar os conteúdos sobre culinária no YouTube, revistas e programas da televisão aberta brasileira, no período de maio a julho de 2015 e junho a agosto de 2017. Nessa pesquisa ficou evidente uma grande veiculação de informações sobre culinária em diferentes mídias e o imenso interesse das pessoas sobre o assunto. No entanto, existe um paradoxo entre o interesse por culinária e o ato de efetivamente cozinhar no dia a dia. Além disso, as informações técnicas sobre nutrição veiculadas nessas mídias, quando presentes, podem divergir do conhecimento científico.

 

Referências

ALMEIDA, S. L.; FRANÇA, I. F.; BLEUEL, S. P.; JÚNIOR, F. G. P. A gastronomia está na mídia: uma discussão sobre o consumo em restaurantes a partir do filme Ratatoullie. In: VI SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM TURISMO. São Paulo, 2009. 12p. Disponível em: Acesso em: 06 mar.2017.
BARDIN, L. Análise de conteúdo.Lisboa: Edições 70; 2011.
BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2001.
BELDA, F. R.; GAMONAR, F. D. O. Proposta de uma rede social como ambiente de convergência com programas de gastronomia e culinária na TV.Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.7, n.2, p. 92-107, 2014.
BENETTI, M.; HAGEN, SEAN. Jornalismo e vida cotidiana: o comer e cozinhar contemporâneos nas revistas semanais. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília, v. 11, n. 2, p. 1-16, 2008.
BRASIL. Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002/2003: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Disponível em: Acesso em: 11 out. 2017. (A)
BRASIL. Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008/2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Disponível em: Acesso em: 12 out. 2017. (B)
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2013: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Disponível em Acesso em: 09 out. 2017. (C)
BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (Brasil). Pesquisa Nacional de Saúde: Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: 2013. Disponível em Acesso em: 08 out. 2017. (D)
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a População Brasileira/Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção básica - 2ª Edição, Brasília: MS 2014. 156p.
BROECK, H. C. Van den; LONDONO, D. M.; RIMMER, R.; SMULDERS, M. J.M. GILISSEN, L. J. W. J., MEER, I. M. Van der.. Profiling of Nutritional and Health-Related Compounds in Oat Varieties. Foods, v. 5, n.2, 2016. Disponível em:Acesso em: 30 mar. 2017.
CERCATO, L. M.; WHITE, P.A.; NAMPO, F. K.; SANTOS, M. R.; CAMARGO, E. A.A systematic review of medicinal plants used for weight loss in Brazil: Is there potential for obesitytreatment? Journal of Ethnopharmacology, v. 176, p. 286-296, 2015.
CONTRERAS, J. Os paradoxos da modernidade alimentar. In: MONTEBELLO, N. P.; COLLAÇO, J. H. L. Gastronomia: cortes e recortes. Brasília: Senac 2008, p. 31-49.
FERNANDES A. C., PROENÇA R. P. C.Técnicas recomendadas para pré-preparo de feijão: remolho e descarte da água. Nutrição em Pauta, v. 19, n. 111, p. 50-56, 2011.
FILHO, A. M. M.; PIROZI, M. R.; BORGES, J. T. D. S.; SANT’ANA, H. M. P.; CHAVES, J. B. P.; COIMBRA, J. S. D. R. Quinoa: Nutritional, functionalandantinutritionalaspects. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, v. 57, n. 8, p. 1618-1630, 2017.
FREDERICO, R. L. R.A mediação do Sabor: Estudo comparativo da mediação de informação culinária na mídia impressa e na mídia televisiva.2008. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2008.
GOOGLE. A diversão foi parar na cozinha. Google data, 2017a. Disponível em: Acesso em: 11 set. 2017.
GOOGLE. Cooking trends among millennials: Welcome to the digital kitchen. Google Data, 2015b. Disponível em: Acesso em: 16 fev. 2017.
GOOGLE. Gastronomia no YouTube. Google data, 2017c. Disponível em: Acesso em: 11 set. 2017.
GOOGLE.Millennials eat up YouTube food vídeos. Millward Brown Digital Firefly e Google,2014d.Disponível em: Acesso em: 16 fev. 2017.
GOOGLE. Os números que engordam essa receita. Produzido por Google data, 2016e. Disponível em: Acesso em: 16 fev. 2017.
GOOGLE. Sabor sem medidas. Produzido por Google data, 2017f. Disponível em: Acesso em: 11 set. 2017.
HASHIM, I, B.; KHALIL, A. H.; AFIFI, H. S. Quality characteristics and consumer acceptance of yogurt fortified with date fiber. JournalofDairy Science, v. 92, n. 11, p. 5403- 5407, 2009.
JACOB, H. M. A. Gastronomia, culinária e mídia. Estudos dos ambientes midiáticos e das linguagens da comida e da cozinha. 2013. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013
JACOB, H. M. A. Gastronomia, Culinária e TV: um estudo do programa Que Marravilha! In: XXXIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2010, Caxias do Sul, 2010, 15p. Disponível em: Acesso em: 06 mar. 2017.
JOMORI, M. M.; PROENCA, R. P. C.; CALVO, M. C. M.Determinantes de escolha alimentar. Revista de Nutrição, Campinas, v.21, n.1, p.63-73, 2008.
KAHNEMAN, D. Rápido e devar: duasformas de pensar. São Paulo: Ed. Objetiva, 2012.
KINDER, M. The Conceptual Power of On-lineVideo: 5 easy pieces.IN: LOVINK, G.; NIEDERER, S. Video Vortex Reader:Responses to YouTube. Amsterdã: Instituteof Network Cultures, 2008, p. 53-62.
KONIG, L. M. GIESE, H. STOK, F. M.; RENNER, B. The social image of food: Associations between popularity and eating behaviors. Appetite, v. 114, p. 248-258, 2017.
LAVINAS, E. L. C. A narrativa “espetacularizada” dos reality shows de gastronomia. In: XXXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, Rio de Janeiro, 2015, 12p.Disponível em: Acesso em: 06 mar. 2017.
LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
MARTINS, A. P. B,. LEVY, R. B.; CLARO, R. M.; MOUBARAC, J. C.; MONTEIRO, C. A. Participação crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Revista Saúde Pública,v.47, n.4, p.656-665, 2013.
NEPA – Núcleo de Estudos e pesquisas em Alimentação. Tabela brasileira de composição de alimentos (TACO). 4. ed. Campinas: NEPA -UNICAMP, 2011. 161 p.
POLLAN, M. Cozinhar: uma história natural da transformação. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.
RENNER, B.; SPROESSER, G.; STROHBACH, S.; SCHUPP, H. T. Why we eat what we eat.The EatingMotivationSurvey (TEMS). Appetite, v. 59, p. 117-128, 2012.
SANTOS, C. C.; STUCHI, R. A. G.; SENA, C. A.; PINTO, N. A. V. D. A influência da televisão nos hábitos, costumes e comportamento alimentar. Cogitare Enfermagem, v. 17, n.1, p. 65-71, 2012.
SERRA, G. M. A.; SANTOS, E. M. Saúde e mídia na construção da obesidade e do corpo perfeito. Ciência e Saúde Coletiva, v.8, n.4, p.691-701. 2003.
SERRA, G. M. A. Saúde nutrição na adolescência: o discurso sobre dietas na revista Capricho. 2001. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2001.
SOUZA, D. M. Revistas femininas: história, comunicação e nutrição - Uma análise quantitativa e qualitativa. 2005. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
TEO, C. R. P. A. Discursos e a construção do senso comum sobre alimentação a partir de uma revista feminina. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.19, n. 2, p.333-346, 2010.
Publicado
2020-02-10