O uso do termo Gastronomia no Twitter:

uma análise exploratória em português, espanhol, inglês e francês

Palavras-chave: Gastronomia, Twitter, Monitoramento de Plataformas Digitais

Resumo

O objetivo deste estudo exploratório e descritivo é apresentar no Twitter o uso do termo 'Gastronomia'. Busca-se compreender em quatro diferentes idiomas: (a) as palavras ou perfis associados ao termo gastronomia; (b) a rede de usuários e possíveis perfis que poderiam influenciar os usuários; e (c) a geolocalização dos usuários que usaram o termo. Assim, 210. 770 pastagens entre 12/09 a 12/10/2018 foram coletadas pela ferramenta online Netllytic. Neste recorte temporal identificou-se que em Português e Espanhol os usuários associam o termo gastronomia à cultura, música e turismo; o perfil @penachef foi aquele com maior importância em relação ao termo Gastronomia; e, os usuários que utilizaram o termo estavam no Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro), Portugal (Lisboa) e Espanha (Madrid, Vitória-Gasteiz e Andorra la Vella). Já em Francês, os usuários associaram o termo ao evento Fête de la Gastronomie - Goût de France, à ideia de bom gosto e também à festa; sendo o perfil @gastronomie_ aquele perfil com maior poder de influência na rede de usuários; e, em relação à geolocalização, os termos foram usados com maior frequência na França e no Japão. Por fim, em Inglês, o termo esteve associado à comida, ao mercado financeiro (por meio da palavra bitcoin) e à ideia de conselhos de onde comer (#gastroadvisor), tendo como principal usuário na rede o perfil @gastronomy_work; e, em relação à geolocalização dos usuários, o termo esteve presente New York, Brasília, Barcelona, Ilha de La Palma e Bangkok.

Biografia do Autor

Breno de Paula Andrade Cruz, UFRJ

Breno é professor de Gestão na graduação em Gastronomia na UFRJ. É líder do grupo de pesquisa 'Consumo e Redes Sociais Virtuais' - CNPq. Possui doutorado em Administração pela Eaesp-FGV, Mestrado em Administração Pública pela Ebape-FGV e bacharelado em Administração pela Universidade Federal de Lavras. Foi professor da graduação e mestrado acadêmico na UFRRJ, possui prêmios nacionais na área de Administração e já publicou mais de 100 artigos em congressos e revistas, além de dois livros e capítulos em livrosnacionais e internacionais. Seus interesses de pesquisa são: (i) Boicote do Consumidor; (ii) Comportamento do Consumidor na Gastronomia; (iii) responsabilidade social corporativa; e (iv) Ensino e Pesquisa em Administração.

Renato Augusto da Silva Monteiro, UFRJ

Possui graduação em Turismo pela Fundação Educacional São José (2005), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2011) e doutorado em Educação em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2017). Atua como docente de Bebidas do Curso de Gastronomia do Instituto de Nutrição Josué de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui interesse nos seguintes temas de pesquisa: Gastronomia, sociedade e redes sociais; mercado e marketing de bebidas; usos sociais das bebidas; distinção e formação do gosto. Atualmente é coordenador do projeto de extensão TransGarçonne da UFRJ voltado para a inserção de pessoas transgêneras no mercado de trabalho (Gastronomia/Bebidas).

Laura Kiyoko Ide, UFRJ e Universidade Estácio de Sá

Possui graduação em Gastronomia e Culinária na Universidade Estácio de Sá (2015), mestrado em Desenvolvimento Local pela Unisuam  (2017) e Especialização em Planejamento de Restaurantes pela Estácio de Sá (2016). Atua como docente de Culinária Asiática, Fundamentos da Culinária e Cozinha Mediterrânea no Curso de Gastronomia do Instituto de Nutrição Josué de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi bolsista do JICA - Japan International Cooperation Agency para revitalização da gastronomia japonesa (2017-2018). Possui interesse nos seguintes temas de pesquisa: Culinária Asiática e sobre farinha de carne e osso de rã-touro. Membro da equipe de cozinha para atletas nas Olimpíadas de Tokyo 2020.

Referências

Araújo, W. M. C. (2007). Alquimia dos alimentos, Brasília: Editora SENAC – DF.
Biolchini, A. E. & Chauvel, M. A. (2010). Tribu gourmet: el marketing posmoderno y el significado del consumo. Estudios y perspectivas en turismo, 19 (6), p. 1053-1071.
Bishop, S. & Limmer, M. (2018). Negotiating the Edge: The Rationalization of Sexual Risk Taking Among Western Male Sex Tourists to Thailand. The Journal of Sex Research, 55 (7). DOI: https://doi.org/10.1080/00224499.2017.1365329
Björk, P. & Kauppinen-Räisänen, H. (2014). Culinary-gastronomic tourism – a search for local food experiences., Nutrition & Food Science, 44 (4), pp.294-309, https://doi.org/10.1108/NFS-12-2013-0142
Bober, P. P. (2001). Art, culture, and cuisine: ancient and medieval gastronomy. University of Chicago Press.
Bourdieu, P. (1979). La Distinction, critique sociale du jugement. Paris, Les Editions de Minuit, 672p.
Bourdieu, P. (2015). A distinção: crítica social do julgamento, 2ª ed. Porto Alegre: Zouk.
Bourdieu, P. (2013). O senso prático. Petrópolis: Vozes.
Bourdieu, P. (1976). Gostos de classe e estilos de vida. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero.
Bueno, M. L. (2016). Da gastronomia francesa à gastronomia global: hibridismos e identidades inventadas. Caderno CRH, 29 (78). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-49792016000300003
Campolina, R. L. & Machado, L. R. de S. (2016). Formação profissional de gastrônomos sustentáveis. Boletim Técnico do Senac, 42 (2), p. 74-97. Disponível em: http://bts.senac.br/index.php/bts/article/view/86
Carneiro, H. (2010). Bebida, abstinência e temperança na história antiga e moderna. São Paulo: Senac.
Carvalho, F. R., Van Ee, R., Rychtarikova, M. Touhafi, A., Sttenhaut, K., Persoone, D., Spence, C. & Leman, M. Does Music Influence the Multisensory Tasting Experience? Journal of Sensory Studies, 30 (5), October, p. 404-412. DOI: https://doi.org/10.1111/joss.12168
Cruz, B. de P. A. (2016). Curtir, Comentar, Compartilhar: Redes Sociais e TV no Brasil, Curitiba: Editora CRV.
Cruz, B. de P. A. (2018). Updating Marketing Research via Web 2.0 Platforms: the Netlytic tool as a way to conduct a non-participant observation on the Internet, Magistro, 2 (18), pp. 01-24.
Elias, N. (2011). O processo civilizador. Uma história dos costumes. V. I. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Zahar.
Durão, A. F., Santos, A. J. dos, Avelino, M. R. & Silveira, C. B. da M. (2017). Comiendo virtualmente con los ojos: un estudio sobre el uso de Instagram por parte de los prestadores de servicios turísticos de gastronomía de Recife (Brasil). Estudios y Perspectivas en Turismo, 26 (4), pp. 964 – 977.
Fischler, C. (1993). L’Homnivore, 2d ed. Paris: Odile Jacob.
Fox, R. (2007). Reinventing the gastronomic identity of Croatian tourist destinations. International Journal of Hospitality Management, 26 (3), pp. 546-559. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijhm.2006.03.001
Flandrin, J-L. Tempos modernos. In: Flandrin, J-L & Montanari, M. (2015). História da Alimentação, 8ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, p. 532-559.
Fusté-Fomé, F. & Masip, P. (2018). Descifrando la información periodística especializada: la gastronomía en la prensa diaria española. Observatorio (OBS*) Journal, pp. 108-121. DOI: https://doi.org/10.15847/obsOBS12220181210
Garrick, D. (2008). Excuses, Excuses: Rationlalisations of Western Sex Tourists in Thailand. Current Issues in Tourism, 8 (6), p. 497-509. DOI: https://doi.org/10.1080/13683500508668233
Gauziski, D. & Maia, A. (2013). Alimentação, consumo e cultura. Produção de presença em imagens gastronômicas no instagram. In: Ferreira, F. R., Freitas, R. F., Prado, S. D. & Carvallho, M. C. S. (2013). Sabor Metrópole: alimentação, consumo e cultura. Curitiba: CRV, 2013. p.193-203.
Gheorghe, G., Tudorache, P. & Nistoreanu, P. (2014). Gastronomic Tourism, a new trend for contemporary tourism?? Catus Tourism Journal, 19 (1). pp. 12-21.
Gomez, J. M., Ruiz, M. R. & Mele, P. M. (2018). Vegetarian Restaurants as a Determining Factor of the Vegetarian Tourist’s Destination Choice. European Journal of Family Business, 8 (1), p. DOI: http://dx.doi.org/10.24310/ejfbejfb.v8i1.5005
Grieco, A. J. (2015). A alimentação e classes sociais no fim da Idade Média e Renascença. In: Flandrin, J-L & Montanari, M. (2015). História da Alimentação, 8ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, p. 466-495.
Guimarães M.A., Renzi A.B. (2019) Usability and Interaction Evaluation on Breakfast Delivery Mobile App: Users’ Experience Expectations. In: Ahram T., Falcão C. (eds) Advances in Usability, User Experience and Assistive Technology. AHFE 2018. Advances in Intelligent Systems and Computing, vol 794. Springer, Cham. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-319-94947-5_57
Hall, C. M. & Mitchell, R. (2002). Gastronomic Tourism - Comparing food and wine tourism experiences. In: Hjalager, A-M. & Richards, G. (2002). Tourism and Gastronomy. London: Routledge, 256p.
Hegarty, J. A. (2011). Achieving Excellence by Means of Critical Reflection and Cultural Imagination in Culinary Arts and Gastronomy Education. Journal of Culinary Science & Technology, 9 (2), pp. 55-65. DOI: https://doi.org/10.1080/15428052.2011.580705
Hegarty, J. A. (2005). Developing “Subject Fields” in Culinary Arts, Science, and Gastronomy. Journal of Culinary Science & Technology, 4(1), 5–13. DOI: 10.1300/j385v04n01_02
Hjalager, A-M. & Richards, G. (2002). Tourism and Gastronomy. London: Routledge, 256p.
Judge, L. B. Apicius: French Cuisine In Tokyo. Food & Drink. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/ladybarbarajudge/2014/03/06/apicius-french-cuisine-in-tokyo/#48b0575b69a6. Acesso em 09 Maio 2019.
Kivela, J., & Crotts, J. C. (2005). Gastronomy Tourism: A Meaningful Travel Market Segment. Journal of Culinary Science & Technology, 4 (2-3), 39–55. DOI: 10.1300/j385v04n02_03
Kladstrup, D. (2002). Vinho & Guerra: os franceses, os nazistas e a batalha pelo maior tesoura da França, Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Kladstrup, D. (2006). Champagne: como o mais sofisticado dos vinhos venceu a guerra e os tempos difíceis, Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Kontukoski, M. Luomala, H. Mesz, B., Sigman, M., Trevisan, M., Rotola-Pukkila, M. & Hopia, A. I.. (2015). Sweet and sour: music and taste associations", Nutrition & Food Science, 45 (3), pp.357-376. DOI: https://doi.org/10.1108/NFS-01-2015-0005
Kontogeorgopoulos, N. (1998). Tourism in Thailand: Patterns, Trends and Limitations. Pacific Tourism Review, 2 (3-4), p. 225-238.
Kontogeorgopoulos, N. (1999). Development? Financial Crisis, Ecotourism, and the 'Amazing Thailand' Campaign. Current Issues in Tourism, 2 (4), p. 316-332. DOI: https://doi.org/10.1080/13683509908667859
Kinupp, V. F. & Lorenzi, H. (2014). Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 768p.
Marques, T. C. N. (2014). A cerveja e a cidade do Rio de Janeiro: De 1888 ao início dos anos 1930, Brasília: EdUNB/Paco Editora.
Megel, C. & &Kilaylo, A. (2010). Asian Tapas - Smal bites, big flavors. Boston: Tuttle Publising, 128 p.
Montanari, M. (2015). Plena e baixa Idade Média (séculos XI-XV). Flandrin, J-L & Montanari, M. (2015). História da Alimentação, 8ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, p. 381-386.
Monty, R. C. da S. (2018). Creative Economy: how the interface of Uber Eats and iFood could change your menu. Brazilian Journal of Operations & Production Management, 15 (3), pp. 413-419. DOI: https://doi.org/10.14488/BJOPM.2018.v15.n3.a8
Muggah, E. M., Duizer, L. M. & McSweeney, M. B. (2016). A comparison of sensory properties of artisanal style and industrially processed gluten free breads. International Journal of Gastronomy and Food Science, 3 (April). DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijgfs.2016.01.001
Novelli, M. (2004). Niche Tourism. London: Routledge, 288p.
Parreira, S. I. M. (2016). Ferran Adrià, a criatividade como discurso (entre gastronomia, arte e design). Revista Estúdio, 7 (15), pp. 50-57.
Proença, R. P. da C. (2010). Alimentação e Globalização: Algumas reflexões. Ciência e Cultura, 62 (4), pp. 43-47.
Rao, H., Monin, P., & Durand, R. (2003). Institutional Change in Toque Ville: Nouvelle Cuisine as an Identity Movement in French Gastronomy. American Journal of Sociology, 108(4), 795–843. DOI: 10.1086/367917
Ribeiro-Martins, C. de S. & Silveira, M. E. (2018). Turismo gastronômico: uma pesquisa bibliométrica em bases de dados nacionais e internacionais. Revista turismo: visão e ação, 20 (1), pp. 184-208. DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rtva.v20n1.p184-208
Riera-Melis, A. (2015). Sociedade feudal e alimentação. In: Flandrin, J-L & Montanari, M. (2015). História da Alimentação, 8ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, p. 387-408.
Rittichainuwat, N. (2007).Responding to Disaster: Thai and Scandinavian Tourists' Motivation to Visit Phuket, Thailand. Journal of Travel Research, 46 (4), p. 422-432. DOI: https://doi.org/10.1177/0047287507308323
Rivolli, A., Soares, C. & De Carvalho, A. C. P. L. F. (2018). Enhancing multilabel classification for food truck recommendation. Expert Systems, 35 (4) Special Issue Paper. DOI: https://doi.org/10.1111/exsy.12304
Schneider, M. (2015). A dialética do gosto: informação, música e política. Rio de Janeiro: Circuito.
Tencati, A. & Zsolnai, L. (2012). Collaborative Enterprise and Sustainability: The Case of Slow Food. Journal of Business Ethics, 110 (3), pp. 345-5-354. DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-011-1178-1
The Culinary Institute of America (2009). Chef Profissional. 2 ed. Editoras Senac: São Paulo, 1235p.
Visser, M. (1998). O ritual do jantar: as origens, evolução, excentricidade e significado das boas maneiras à mesa, Rio de Janeiro: Campus, 1998.
World Travel Awards (2019). Winners areas. Disponível em: https://www.worldtravelawards.com/
World Tourism Organization (2019). Disponível em: http://www2.unwto.org/
Yokota, F. (2007). Sex behaviour of male Japanese tourists in Bangok, Thailand. Culture, Helath & Sexuality, 8 (2), p. 115-131. DOI: https://doi.org/10.1080/13691050500526068
Publicado
2020-02-10

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##